quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Chove lá Fora


Lá fora gotas de saudades, vento frio e calmo...
Adormecer queria agora, mas a vontade que dá...
é de rasgar minha alma e introduzir o que de mim falta
Fazer meu desejo te procurar,
Silenciar e ao mesmo tempo gritar...
Aguçar meus sentidos, fazer paixão insana
Quebrar em meio a tempestade lá fora a fuga de não poder te amar
Vício? É te fazer bem...
Que o sol surja nesse momento e entre de uma vez no meu coração
Mas enquanto chove lá fora, vou pedir para você entrar
Ficar aqui comigo e esperar a chuva passar,
deixar essa chuva molhar o melhor de nós,
mais amor...
Folhas caem lá fora e o vento sopra, um sopro de inconstâncias...
Dor e água se misturam se unem
Preciso voltar a água e me misturar de vez, mas quero me misturar no teu âmago
e inventar algo melhor, levantar do chão e saltar sem mágoa
acabar com a tristeza sem falhas
ser igual e não maior, tintas derramadas no chão desenham a tua cor
Liberdade é me entregar e ser presa nos teus pensamentos
Sem defeitos nem dramas, sem segredos guardados
Cumplicidade enrolada a lealdade de ver
arranco os sonhos e jogo na rua em que a água arrasta com a força da chuva
Chuva onde estavas? Te procurei e me perdi e agora te achei é lindo te ver cair e ver a sensibilidade com que toca o chão
Meus olhos esperarão você passar e levar tudo que está envolvido o meu coração! Chuva...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget